Notícias

Terça-feira, 19 de Maio de 2020, 12:42h

Técnica em enfermagem vence a Covid e recebe alta do HGV com homenagem

Elaine Aragão, de 38 anos, ficou 14 dias internada no hospital e chegou a ser transferida para UTI

Elaine

A técnica em enfermagem Elaine Aragão, 38 anos, mudou de lugar na luta contra o coronavírus e ficou internada por 14 dias no Hospital Getúlio Vargas (HGV), em tratamento contra a doença. Curada, ela teve alta na tarde dessa segunda-feira (18) e recebeu uma homenagem da equipe de profissionais do hospital que cuidou dela.

Elaine é técnica em enfermagem na rede estadual e municipal de saúde e trabalhava na linha de frente no combate ao novo coronavírus. Ela contraiu a doença, sofreu com falta de ar e chegou a ser internada na Unidade de Terapia Intensiva.

Ao som da música Girassol, dos artistas Priscilla Alcântara e Whindersson Nunes, a equipe de profissionais exibiu cartazes com fotos de Elaine e frases como "Deus é maior" e "Fé, esperança, amor". Em um vídeo gravado durante a alta, a técnica se emociona e chora. 

Em meio à angústia do isolamento e os dias de incerteza se venceria a doença, Elaine diz que ser curada da Covid-19 representa um renascimento. "Me senti muito emocionada, muito grata, em especial com a equipe que me atendeu ontem. São pessoas muito queridas, que sempre cuidaram de mim muito bem. Fiquei muito feliz, muito feliz mesmo. A fisioterapeuta e o médico que estavam lá foram os mesmos que me atenderam desde o começo. Foi um fechamento de um ciclo. Eu iniciei com eles e terminei com eles, e eles foram maravilhosos. Só tenho que  agradecer, principalmente os fisioterapeutas. Foram maravilhosos. Eles são heróis de muitas coisas ali, porque nos ajudam a voltar a respirar. Eles estão lá todo dia, toda hora e não deixam a gente esmorecer. Os psicólogos também são muito bons", agradece Elaine. 

"Fiquei muito emocionada. Parecia que estava renascendo, como a bíblia diz, que eu estava saindo da cova dos leões e voltando à vida", ressalta Elaine.   

Ela é técnica em enfermagem há 8 anos e conta que sua maior alegria é ver um paciente sendo curado. "Foi a melhor escolha que já fiz porque eu amo cuidar das pessoas. Amo estar presente, mesmo que seja no momento de dor, porque estou fazendo a minha parte, aliviando aquela dor", enfatiza. 


Fonte: HGV